Buscar
  • Illan Besen

Compounding - Snowball

Atualizado: 8 de Mai de 2019




“Não queira as coisas que dobram... Vá no que dá 15% ao ano.”


Assim afirmou Jose Zitelmann, conhecido e respeitado gestor de recursos com foco em ações, ao responder a seguinte pergunta feita pela também conhecida e respeitada jornalista Luciana Seabra: “Se você tivesse que dar um conselho simples para o investidor pessoa física, qual seria?”


Em outras palavras, a mensagem que Zitelmann quis passar foi: invista, não aposte.


Investir é um ato de consistência. Alcançar uma boa taxa de retorno e reinvesti-la fará uma grande diferença a longo prazo. Essa é a lógica por trás do compounding.


Os principais estudos sobre investimentos concluem que a correta alocação de ativos, no longo prazo, explica a maior parte do retorno obtido.


Desdobrando os vetores e suas respectivas responsabilidades no retorno de uma carteira de investimentos, temos os seguintes resultados:

Alocação dos Ativos: 91%

Escolha de Papéis: 5%

“Timing” (Apostas/Operações Táticas): 2%

Não Explicáveis: 2%


Quando você observa seu capital financeiro, no que dedica mais tempo e energia? Investindo ou apostando?


Albert Einstein facilitou nosso trabalho de compreensão ao afirmar que os juros compostos são a maior força do Universo.


A reflexão que trago em cima das suas palavras é: Devemos usá-la a nosso favor.




94 visualizações0 comentário